28 dezembro 2013

Resenha | Bendito/Maldito - Newton Cesar



Sinopse: Duas extremidades: Deus e Diabo. Entre eles, um homem. E uma história – ou duas – contada de maneira original. De um lado, despojada, bem-humorada. De outro, cruel, forte. É um livro engraçado? É. É um livro de suspense e terror? É. Bendito Maldito é o retrato de como a vida de uma pessoa pode ser diferente dependendo do lado que ela escolher. Deusidário é o personagem principal de Bendito. Um homem que, após passar por di¬ficuldades, resolve vender a alma para o Diabo. O Diabo, claro, fecha o negócio mas impõe uma condição:só pagará ao dono da alma se este cumprir seus 10mandamentos.O Diabo, a¬final, não aceita almas boas. Contudo, o inesperado acontece: a alma boa de Deusidário aparece para tentar impedir que ele cumpra os 10 mandamentos do Diabo, efetivando, assim, a venda. A partir desse momento, Bendito entra num ritmo alucinante e engraçado atingindo um clímax ¬final inusitado. Será que a alma boa vai impedir que Deusidário seja mau? E qual será o verdadeiro ¬final para quem é bom? Maldito conta a história abordando justamente o ponto de vista da maldade. Dominado pelo mal, Deusidário comete atrocidades em nome do Diabo. E tem um objetivo: matar 666 pessoas, de preferência, mulheres. É uma narrativa alucinante e cheia de suspense, capaz de deixar o leitor apavorado. E capaz de nos fazer questionar: como seríamos se nossa alma fosse má? Qual será o verdadeiro final para quem é mau?








Autor: Newton Cesar
     Editora: Novo Século
         Páginas: 216
     Tipo: Livro




Resenha:

 Incomum, excêntrico, irreverente, forte, ambicioso. Não há adjetivos suficientes para designar a uma leitura completamente inenarrável como esta.
 Neste vira-vira, conhecemos as facetas, ou melhor, o futuro possível do Deusidário que encontra em ambas personalidades a forma que mais lhe agrada do seu nome insólito. Em ambas os lados, Deusidário pelas circunstâncias e necessidades que o cercam escolhe vender sua alma para o Diabo, mas para que o acordo seja fechado ele deve cumprir os dez mandamentos de Satã.
 Em Bendito, Id, apelido carinhoso do nosso personagem, conta - desde os motivos que o levaram – sua inusitada trajetória para cumprir os mandamentos e vender a sua alma que, por sua vez, nega-se a ser vendida e tenta fazê-lo desistir da idéia. Id ainda sofre com o fim do relacionamento com Márcia, sua noiva, que o deixa quando ele tenta ganhar a vida por-meios-não-tão-morais-assim.
 De páginas Negras e letras brancas, Maldito, nos apresenta um personagem já transformado, infame, frio, sombrio, sem medos e pudores. Aqui, o conhecemos como Deus, carrasco das Missas Negras, psicopata e estrupador. O homem já seguidor e praticante das “leis de Satã” e imutavelmente, um homem magoado com o fim do relacionamento. Aqui também temos uma interação maior com outros personagens citados superficialmente na faceta anterior do livro. Recomendo então, começar a leitura por Bendito, como eu fiz, para que possa entender e conhecer melhor o personagem e sua historia.
 É necessário elucidar que o autor não mede palavras para nos apresentar as cenas e pensamentos de Deusidário já que, temos de um lado um personagem disposto a vender a sua alma e do outro, o mesmo já praticante dos piores crimes tanto para homens como para Deus. As cenas de sexo, estrupo e as próprias missas negras são narradas abertamente para impressionar e convencer o leitor.
  Id e Deus, mostram-se então, tão insolúveis quanto água e óleo. É quase impossível acreditar que são a mesma pessoa.
 
  A leitura é rápida, com diálogos curtos e a divisão de páginas negras/brancas dá personalidade ao livro e ao proprio personagem.
 Contudo, parabenizo o autor pela criatividade e esforço incomum. Bendito/Maldito é um livro que - apesar de não agradar todos os gostos - recomendaria a qualquer pessoa disposta a testemunhar o que o desespero de um homem associada a sua mente vazia e abalo emocional podem lhe proporcionar.



Beijos, Milla Almeida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário